Promovendo o Encontro de Saberes

José Dias Campos, 48 anos, casado, como filho de agricultores, da agricultura familiar, desprovidos de condições financeiras e de acesso ao crédito experimentou a triste situação em que as famílias viviam no semiárido em decorrência da fragilidade na infra-estrutura das propriedades para adaptar-se as mudanças climáticas. Mas, também, teve a… [+]

Tamanho do texto
A- A+

José Dias Campos, 48 anos, casado, como filho de agricultores, da agricultura familiar, desprovidos de condições financeiras e de acesso ao crédito experimentou a triste situação em que as famílias viviam no semiárido em decorrência da fragilidade na infra-estrutura das propriedades para adaptar-se as mudanças climáticas. Mas, também, teve a oportunidade de viver e ser parte de expressões de solidariedade, praticadas pelas famílias, na medida em que, com a ajuda de amigos conseguiu concluir um curso de nível superior, algo que, na época, era quase que impraticável por filhos de agricultores.

Na época, articulou-se com outros estudantes que participava de uma associação universitária e fundou uma organização para promover os agricultores, a partir do encontro de saberes locais, a criarem e inovarem tecnologias sociais que permitisse às famílias melhor adaptar-se a realidade local, com melhores condições de convivência com a realidade semiárida, gerando vida sustentável.

No ano de 2007 passou por um processo de seleção e, em julho de 2008, entrou para a rede de empreendedores sociais da Ashoka. A organização tem desenvolvido, ao logo de sua trajetória, um extenso cardápio de tecnologias sociais para o desenvolvimento humano. Seu foco é a eficiência no gerenciamento de recursos naturais, em pequenas propriedades, com atividades focadas na agricultura familiar. Seu trabalho consiste em aliar formação e mobilização social com a produção e difusão de soluções inovadoras, de baixo custo, em áreas como manejo hídrico e agroecologia. O CEPFS possui uma área experimental onde desenvolve as tecnologias sociais, sempre com ampla participação das famílias que serão beneficiadas, a partir do encontro de saberes. Depois, leva as tecnologias desenvolvidas para as comunidades e trabalha sua ambientação e implementação junto com os atores locais. Em uma etapa fundamental para a sustentabilidade, assessora as instâncias organizativas das comunidades na implantação de mecanismos de governança coletiva. O principal exemplo são os fundos rotativos solidários. O CEPFS atende, hoje, a 5.670 agricultores familiares de 39 comunidades, nos municípios de Teixeira, Maturéia, Desterro, Cacimbas e Princesa Isabel, na Paraíba.

O CEPFS possui um portfólio com diversas soluções desenvolvidas, que foram difundidas e aperfeiçoadas nas comunidades em que trabalha que podem integrar estratégias de maior prazo para o desenvolvimento local em outros territórios, não apenas na Paraíba, mas, em todo o semiárido nordestino, em outras partes do Brasil e do Mundo. Isso significa produzir e difundir tecnologias e estratégias viáveis e efetivas para convivência com a realidade ambiental do semiárido, criando oportunidades e gerando soluções para os desafios próprios da região para que as populações locais possam se desenvolver sem precisar migrar para outros territórios.

O negócio social não envolve apenas o retorno financeiro. Existe uma valorização, acima de tudo, humana. Resultados: 5.790 pessoas com capacidade para armazenar, 15.440.000 litros de água potável, através da construção de 965 cisternas; Construção de 205 cisternas com apoio direto dos Fundos Rotativos Solidários permitindo o armazenamento de 3.280.000 litros de água potável; Mobilização e formação de 1.710 homens e 1.591 mulheres para controle de políticas públicas; Criação de 30 bancos de sementes comunitários com capacidade de armazenar 42 toneladas; Incentivo ao reflorestamento e recuperação de áreas degradadas ambientalmente através da produção e distribuição de 7.085 mudas (frutíferas e florestais); Construção de 57 cisternas com a tecnologia social sistema de boia para lavagem do telhado, experiência que melhora a potabilidade da água para o consumo humano; Implantação de 02 unidades de beneficiamento de fruta nativa, beneficiando 10 famílias e um total de 60 pessoas – aumento médio de 25% na renda das famílias beneficiadas diretamente; 100% das famílias beneficiadas estão adotando novas práticas de manejo dos recursos naturais a partir do processo educativo impulsionado pela tecnologia social; redução do desperdiço de frutas em 100% das famílias beneficiadas com a tecnologia social. Houve aumento na renda de 25 famílias das comunidades beneficiadas e adjacências através da compra da sua produção(frutas). A experiência trabalhou diretamente, no ano de 2010, com 8.202 pessoas. Desde sua criação, já beneficiou 54.379 pessoas em 05 municípios: Teixeira, Maturéia, Desterro, Cacimbas e Princesa Isabel. Nos municípios de Teixeira e Cacimbas são 33 comunidades, com 713 famílias, todas trabalhando com a dinâmica de Fundo Rotativo Solidário.

Conquistas: finalista do CONCURSO: EXPERIÊNCIAS EM INOVAÇÃO SOCIAL NA AMÉRICA LATINA E CARIBE, promovido pela CEPAL e FUNDAÇÃO W.K. KELLOGG, nos anos de 2005, em Santiago do Chile e 2009 na Guatemala.
Em 2006, a Agência Nacional de Águas – ANA, através da I edição do PRÊMIO ANA, reconheceu a experiência atribuindo-lhe o primeiro lugar na categoria “Água para a Vida”.
No ano de 2008 a experiência conquistou os seguintes prêmios: foi finalista no Prêmio Inovação em sustentabilidade (Instituto Ethos e a USAID), conquistou o primeiro lugar na categoria tecnologia ambiental do Prêmio FIEMA 2008, em Bento Gonçalves – Rio Grande do Sul, conquistou o primeiro lugar na categoria humanidade do Prêmio von Martius de sustentabilidade.
No ano de 2009 a experiência conquistou os seguintes prêmios: primeiro lugar na categoria responsabilidade social do Prêmio Meio Ambiente da AEA – São Paulo e foi finalista do Prêmio tecnologia social da Fundação Banco do Brasil. Em 2010 conquistou os seguintes prêmios: primeiro lugar,na categoria socioambiental do prêmio Fiema; ODM Brasil, Rosani Cunha de Desenvolvimento Social, Planeta casa, na categoria Ação Social, Odair Firmino de Solidariedade e Anu de Ouro promovido pela CUFA.

Para saber mais acesse Cepfs